sábado, 30 de junho de 2012

Um agradecimento mais que especial!

Demorou um pouco, mas aqui estou novamente! Não poderia, jamais, finalizar tudo o que eu tenho pra dizer, sem antes, agradecer uma pessoa por tudo. Em nome de toda turma, quero agradecer a professora/coordenadora Leani! Por tudo, todo apoio, incentivo, organização, empenho, pelo maravilhoso trabalho que mais uma vez tu realizou, sempre pensando em tudo, cada detalhe, cada turma, aluno, deixando até de resolver seus problemas para fazer tudo pela escola. Tu merece tudo de melhor, toda felicidade, cada coisa boa que exista nesse mundo! Saiba que hoje já não te consideramos mais uma professora/vice-diretora/coordenadora, mas sim, uma irmã, uma MÃE! Porque uma mãe faz pelos seus filhos tudo o que você já fez e faz por nós! Te levaremos na nossa vida muito além da formatura do terceiro ano, te levaremos pra sempre, com as melhores lembranças que se pode ter de uma pessoa.

TE AMAMOS MUITOOOOOOOO!!! s2

um grande beijo de todos seus filhos da 212!

segunda-feira, 25 de junho de 2012

ÉÉÉÉÉÉ, CAAAAMPEÃÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Realmente não temos palavras pra explicar a felicidade que sentimos! Para alguns, esse é o terceiro ano que conseguimos a vitória. Resultado de muita força, batalha, e LUTA. Com certeza, todas as equipes estão de parabéns, pois todas se empenharam e correram atrás do solicitado. Aprendemos, brincamos, brigamos.. desanimamos, levantamos, decidimos, que levaríamos a diante. Às vezes, foi preciso lutar sozinha, e com meus fiéis cinco companheiros que nunca saíram do meu lado: Bruna, Jéssica, Caroline, Douglas e Wellington. Podemos dizer que foi difícil, pois no começo, éramos apenas nós. Estávamos a um fio de desistir, até que um dia, a prof. Leani entrou em nossa sala, e falou: ''Vocês são marinheiros, ou náufragos?''
Isso aí mexeu... forte. A partir desse dia, decidimos que não éramos náufragos. Nos unimos, como turma, como amigos, e, acima de tudo, como equipe. Passamos a lutar por tudo que queríamos, e mesmo não conseguindo, continuávamos ali. Eu sei, todos sabem, e não preciso que ninguém diga ao contrário: Não éramos os mais favorecidos ali. E percebemos isso, muito, muito, muito mais que uma vez. Podia ser com intenção, ou sem. O fato é que, isso ocorreu durante toda gincana. O homem, não é justo. Comete MUITA injustiça. Mas tem alguém, lá em cima, que sabe de tudo. Que vê tudo. Esse alguém, é Deus, e Ele, sabe recompensar quem realmente merece. Todos nós merecemos! Equipes que lutaram, não abandonaram seu barco, foram em busca da vitória. Mas como a prof. Leani diz, esse não é o mais importante! Por que estaríamos aqui, se antes não tivéssemos nada pra buscar, aprender, ou até mesmo ensinar? Paro pra olhar pra trás, e vejo, desde o primeiro ano que participei, o quanto aprendi. Não só eu, todos nós. Não é só uma gincana... é uma lição de vida. É um desafio, NA vida.



OBRIGADA TURMA, POR TUDO! EU AMO VOCÊS... E, UM VIVA PRA NÓS!!!!


''SOMOS MARINHEIROS E VIEMOS AJUDAR, PELA COSTA DOCE VAMOS NAVEGAR! LUTAR PELO RIO GRANDE NÃO SERÁ EM VÃO, NÓS VAMOS COMBATER TODA A POLUIÇÃO!''






sexta-feira, 22 de junho de 2012

Estamos aqui para parabenizar as equipes pelo belo desempenho no RECICLAMODA!








DESTAQUES

Em 1º lugar equipe Iporanga:




Em 2º lugar equipe Metropolitana:


Em 3º lugar equipe Marinheiros:



Em 4º lugar equipe Serranos:



As demais equipes concorrentes:


Equipe Bella Praia:



Equipe Flintstones:



 Equipe La Pampa:






Caroline

quinta-feira, 21 de junho de 2012


     Hoje pela manhã ocorreu mais uma das atividade da Gincana Ambiental, a apresentação do vídeo, onde cada equipe estava representando sua devida região. Todos os vídeos estavam muito bons, e estavam concorrendo, menos o nosso que por uma falha técnica foi apresentada mais tarde e por reclamações, não podendo concorrer. Todos nós da equipe ficamos muito tristes pelo ocorrido, e achamos que poderíamos sim ter concorrido como todos os outros.
      Somos os Marinheiros e apresentamos à vocês a Costa Doce:


video


Caroline e Wellington

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Vocês são tudo!







Ei, Marinheiros! Não náufragos.

No começo, pensei que seríamos mesmo. Era realmente desanimador para uma capitã fazer tudo com apenas a ajuda de quatro ou cinco. Pensei que seria a gincana toda assim, e também pensei seriamente em desistir. Mas, como a esperança é a última que morre, resolvi tentar nem que fosse pela última vez. Pedi ajuda, implorei, supliquei. E fui atendida. Mostramos, que mais que marinheiros, nos tornamos companheiros, amigos, uma equipe. Juntos, fizemos tudo o que conseguimos, dando certo ou errado, o importante foi que tentamos. E agora, na reta final, só tenho a agradecer para minha turma, minha equipe, meus marinheiros, por tudo. Nós sabemos o quanto lutamos e tentamos.
Contagem regressiva.


Semana Interdisciplinar

Estão postados aqui tudo o que aprendemos durante a semana interdisciplinar, e as matérias que faltam, não estudamos nada relacionado a nossa região.

Semana Interdisciplinar- MATEMÁTICA

ROTEIROS:
PRIMEIRO ROTEIRO: RIO GRANDE


1º Dia – Saída da frente da escola, às 22h em viagem passando por Santo Ângelo, Ijui, Cruz Alta, Santa Maria, Pelotas e Rio Grande, aonde chegaremos ao amanhecer do dia seguinte.

2º Dia – Após a chegada, vamos direto ao hotel onde arrumaremos nossas coisas e tomaremos café da manhã.. Após, iremos até a estação ecológica do Taim. Ao meio dia, retornamos para o hotel almoçar e às 14h00min visitaremos o porto do Rio Grande, onde ficaremos até
às 16h00min. De lá, vamos até a Ilha dos Marinheiros, e para encerrar, visitaremos o museu oceanográfico. Voltaremos ao hotel para banho, e janta.

3º dia – Após acordar, tomaremos café e iremos até a praia do Cassino. Ficaremos lá até ao meio dia, e depois vamos para o hotel almoçar. A tarde vamos visitar o museu naval e na sequência os molhes da Barra, e por último iremos conhecer o Cais, finalizando o dia. Pela noite voltaremos ao hotel para tomar banho e jantar. Em seguida iremos de volta a Três de Maio.


Preço por pessoa incluindo viagem e um pernoite no hotel com café da manha, almoço e janta R$  230,00
Numero de pagantes: 30 alunos



SEGUNDO ROTEIRO: PELOTAS

1º dia - Saída da escola às 22h00min chegando ao destino no amanhecer do dia seguinte.

2º dia – Após a chegada, vamos para o hotel/pousada para deixarmos nossas coisas e tomarmos o café da manhã. Pela manhã iremos conhecer o Castelo Simões Lopes e a Catedral São Francisco de Paula. Dentre às 11h30min retornaremos ao hotel para almoçarmos.
Na parte da tarde, pelas 14h00min iremos visitar o Museu da Baronesa, em seguida o Teatro Sete de Abril e pra finalizar o dia passaremos pela Ponte Ferroviária e depois voltaremos para o hotel/pousada tomar banho jantar.

3º dia – Na parte da manhã tomaremos café no hotel/pousada e em seguida sairemos para visitar as Charqueadas São João, Santa Rita, do Barão de Jarau, Bernardes Barcelos e Costa do Abolengo. Após, retornamos para o hotel/pousada para o almoço. De tarde a partir das 14h30min iremos passar à tarde na praia das Laranjas. Depois voltaremos ao hotel/pousada para o banho e jantar, e em seguida voltaremos para Três de Maio.

Preço por pessoa incluindo viagem e um pernoite no hotel com café da manha, almoço e janta R$  245,00
Numero de pagantes: 30 alunos

Obs: Os preços são aproximados por não termos retorno do e-mail da professora. 



terça-feira, 19 de junho de 2012

Semana Interdisciplinar- FÍSICA


Já que a Costa Doce é uma região banhada por muita água, estudamos em física a tensão superficial.


A força que existe na superfície de líquidos em repouso é denominada tensão superficial. Esta tensão superficial é devida às fortes ligações intermoleculares, as quais dependem das diferenças elétricas entre as moléculas, e pode ser definida como a força por unidade de comprimento que duas camadas superficiais exercem uma sobre a outra.
Este efeito é bem intenso na água e no mercúrio, por exemplo, e pode ser percebido também com a ajuda de outro fenômeno: a capilaridade. Quando um líquido é colocado em um tubo capilar (tubo muito fino), a atração entre as moléculas do líquido e as moléculas do material do tubo podem ser maiores ou menores do que a força de coesão interna do líquido, ocasionando desta forma a formação de uma concavidade ou uma convexidade na superfície do líquido, forma a qual apenas pode ser obtida devido ao efeito de tensão superficial nos líquidos. A tensão superficial pode ser notada também na forma quase esférica de gotas de água que pingam de uma torneira ou mesmo de água espirrada em uma superfície. Esta tensão é ainda mais intensamente percebida no caso de gotas de mercúrio colocadas sobre uma superfície, pois neste caso percebe-se que a tendência é a de formação de pequenas esferas.

Semana Interdisciplinar- BIOLOGIA



Costa Doce


Arambaré: Acredita-se que a maior concentração de figueiras no Estado. Árvores frondosas e majestosas que atingem até 50m de diâmetro em sua copa e integram-se com harmonia das águas dos rios e da Laguna dos Patos.
Areias limpas, águas tépidas, sol com opção de sombra das árvores são fatores que determinam agradável permanência nas praias de Arambaré.Os caminhos, trilhas e esportes aquáticos, asseguram satisfação para os esportistas que procuram emoções.
Localiza-se a 30º, 51 minutos de latitude sul e 51º e 48 minutos de longitude oeste, situando-se à margem direita da Laguna dos Patos.
A agropecuária é a principal atividade econômica de Camaquã, com destaque para o cultivo de arroz e a pecuária.
A indústria de beneficiamento de arroz, moveleira e metal mecânico e o comércio também contribuem para a economia do município.
Na Estação Ecológica do Taim, o visitante poderá conhecer diversas espécies da fauna e da flora brasileiras. Pela cidade, também faz parte da programação dos visitantes conhecer o Monumento a Bento Gonçalves, o Museu da Cidade do Rio Grande, o Museu Oceanográfico, a Catedral de São Pedro, o Sobral dos Azulejos e a Biblioteca Rio-grandense.


Barra do Ribeiro: Localizada às margens do Lago Guaíba e da Laguna dos Patos é uma cidade pequena e tranquila, cercada por paisagens únicas, com uma flora e fauna exuberante e um povo hospitaleiro. A cidade oferece a seus visitantes o turismo de sol e praia e a vivência da cultura gaúcha através das fazendas e sítios de lazer. Para quem quer aventura, a Barra do Ribeiro também tem passeios de barco, canoagem expedicionária, atracadouro para embarcações no Arroio Ribeiro, além de um manancial de águas doces para a prática de esportes náuticos, como a vela e o windsurfe, e a realização de eventos esportivos durante a temporada verão.
Camaquã: Camaquã está localizado na Serra do Sudeste (Encosta da Serra do Sudeste) e pertence à região turística Costa Doce, tendo como principais atrativos a cultura gaúcha e o meio rural.
Rio Grande: As belezas naturais é que chamam a atenção por lá. Praias como a do Cassino, lagoas e ilhas de águas limpas constituem lugares indispensáveis nesse roteiro. Na Ilha dos Marinheiros é possível conhecer belas dunas, construções e ruínas da arquitetura colonial e a deliciosa gastronomia portuguesa.
Tapes: é banhada pela enseada da Lagoa dos Patos, considerada a maior riqueza natural do município, e cercada por lavouras de arroz e centenárias figueiras.
A Laguna dos Patos é utilizada para pesca, irrigação, esportes náuticos, lazer e turismo. Junto à enseada, destaca-se o Clube Náutico Tapense e a prática de esportes náuticos como o windsurf e kitesurf.Sua economia baseia-se na agricultura, pecuária, indústria de calçados, reflorestamento e beneficiamento do arroz, além do turismo que está em ascensão. O artesanato também desponta como um setor em crescimento no município.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Semana Interdisciplinar- GEOGRAFIA


Características da costa doce:

A Costa Doce é uma região com enorme potencial turístico lagunar e rural localizada na Metade Sul do Estado do Rio Grande do Sul. A região está constituída pelo conjunto de municípios pertencentes à estrutura institucional dos Fóruns Regionais de Turismo Centro-Sul e Sul. Possui uma variabilidade de ambientes e de recursos naturais estupendos distribuídos pelos municípios que a compõem.
O ambiente geográfico caracterizado por formações tipo serra, pampa e várzea, constitui-se em elemento natural de grande atratividade para os moradores dos centros urbanos e para os apreciadores da natureza. Os belos mananciais de água doce são verdadeiras especiarias para os amantes das práticas de esportes, perfeitamente integrados a uma paisagem cenográfica. Para aqueles que apreciam o turismo cultural, existem cidades históricas com uma arquitetura urbana diferenciada e belíssima.
Outro ponto de atração da região é o arranjo da gastronomia, resultado de um processo criado por uma miscigenação maravilhosa de culturas, apresentando pratos típicos e sobremesas especiais que fazem parte da cultura gaúcha. Os produtos turísticos da Costa Doce fazem interface com essa realidade bastante diversificada. A Costa Doce está inserida em um espaço geográfico que possui os maiores lagos do país, iniciando junto da capital em Porto Alegre e estendendo-se até o município de Chuí no extremo sul do estado. O complexo lacustre está formado pelo Lago Guaíba, Lagoa dos Patos, Lagoa Mangueira, Lagoa Mirim e ainda o Oceano Atlântico, harmonizado por uma longa faixa repleta de paisagens ambientais únicas e por um santuário ecológico reconhecido mundialmente como importante para as cadeias alimentares de peixes, crustáceos e aves.
 A atividade que marcou e definiu o panorama cultural da região sempre esteve vinculada à história econômica e política do Rio Grande do Sul e, associada à consolidação das famílias, além do turismo rural, turismo de negócios e eventos, trilhas ecológicas, esporte e aventura e todo o potencial náutico das lagoas. A diversidade regional, a organização do trade turístico e a complexidade do componente político envolvendo instituições públicas e entidades de classes que atuam nesse espaço, forçaram à construção de um processo de gestão articulada.  
No século XIX, apoiado nas fazendas de criação de gado e de ovinos, no cultivo de arroz e na dinâmica das charqueadas, surge um modelo de desenvolvimento regional que gera grandes excedentes econômicos. Estes financiam a construção de sofisticados conjuntos arquitetônicos, ainda presentes e bem conservados em várias cidades da Costa Doce. Aliás, tornaram-se, na atualidade, elementos de atração de turistas de todas as idades.
O conjunto de ambientes, de etnias e suas formas de manifestação materiais e imateriais, caracterizam o que se denomina destino turísticos Costa Doce. São lugares históricos, são acervos arquitetônicos, arqueológicos e paleontológicos, artesanato, gastronomia, agricultura familiar, além do turismo rural, turismo de negócios e eventos, trilhas ecológicas, esporte e aventura e todo o potencial náutico das lagoas.
Porque o nome Costa Doce?
A região da Costa Doce recebeu este nome, devido ao destaque de lagoas com água doce nesta determinada área, dentre eles a Lagoa dos Patos, Mirim e Mangueira.  Onde as praias de São Lourenço do Sul também são de água doce à beira da Lagoa dos Patos.


Semana Interdisciplinar- QUÍMICA

Produção de doces em Pelotas:


      Conhecida como a Capital Nacional do Doce, Pelotas teve os primeiros doces introduzidos, aproximadamente na década de 1860, quando começa o período de apogeu do município. Os doces eram servidos nos intervalos dos saraus (festas com música) envolvidos em papéis de seda rendados e franjados. Sua produção era realizada de maneira caseira pelas mulheres e suas escravas. Como existiam rigorosas regras de etiqueta na época, muitas atividades não poderiam ser desenvolvidas ao ar livre; as mulheres passaram então a praticar hábitos caseiros, com reconhecido destaque na culinária, bordado, música e pintura. Este fato, portanto, contribuiu para a intensa produção e aprimoramento dos doces em Pelotas.
     Os doces podem ser classificados em: doces finos, doces caseiros, compotas, geléias, doces cristalizados, e doces em pastas.





Produção de pêssegos na região:




      A técnica é comum em todo o mundo: para valorizar a produção criam-se padrões de qualidade específicos. Foi pensando nisso que produtores e industriais do pêssego da região de Pelotas, no sul do Rio Grande do Sul, deram início às formulações técnicas e burocráticas para garantir um selo de Indicação Geográfica. 
      Por enquanto, o que existe é a formação de um grupo, a Associação dos Produtores e Indústrias para Indicação Geográfica do Pêssego da Região de Pelotas (Apippel), que reúne toda a cadeia do pêssego da região.
      Quem adquirir o produto terá a certeza de que está consumindo um pêssego diferenciado, produzido com boas práticas agrícolas e um processo de beneficiamento exclusivo. Para a região, é uma forma de resgatar o valor e a importância de uma cultura que faz parte da história.
Os números: São mais de 20 mil produtores na região e nove indústrias de processamento – 95% do total de pêssegos produzido no país.
   Por ano, a produção média chega a 500 mil toneladas da fruta. Cerca de 50% da produção do pêssego da região de Pelotas é exportada para o sudeste brasileiro.


Processamento do pêssego:


Recepção da matéria-prima:  O pêssego, na região de Pelotas, RS, é recebido em caixas de plástico com capacidade entre 18 e 22 kg de produto. Nos picos de safra, quando a oferta supera a capacidade de processamento das fábricas é usual a armazenagem em câmaras frias por até duas semanas. As condições ideais são: temperatura de 0°C a 2ºC e umidade relativa de 90% a 95%.


        Corte e descaroçamento : Dois tipos de máquinas são as mais utilizadas:    descaroçadora por torção e descaroçadeira por corte. O princípio de  funcionamento do primeiro tipo se baseia em uma tesoura com um orifício entre as   lâminas que corta o pêssego e prende o caroço no orifício, enquanto que dois  agarradores de borracha envolvem o fruto realizando um movimento de torção que resulta na retirada do caroço.
Descascamento ou pelagem:  O princípio geral consiste numa esteira dentro de uma câmara, onde as metades são conduzidas horizontalmente, viradas na posição côncava. Tem-se uma secção onde uma solução de soda cáustica a alta temperatura é distribuída sobre as metades, através de calhas que formam diversas cascatas encadeadas. Altas concentrações de soda, combinadas com tempos e temperaturas elevados, podem causar grandes perdas no descascamento. 
Lavagem : 
Após a operação de descascamento, as metades devem ser submetidas a vigorosos jatos de água para a remoção completa da soda cáustica.


Inspeção e retoque:  Na operação de retoque, com auxílio de uma pequena faca, retiram-se sobras de casca, manchas, machucaduras, podridões, pintas pretas, etc.
Enchimento/Embalagem: Após a operação de inspeção, as metades são submetidas a uma nova classificação quanto ao tamanho para compor os padrões da fábrica. Posteriormente à colocação do produto na embalagem, procede-se à cobertura com calda quente. A concentração da calda, geralmente é expressa em graus Brix. As caldas devem ser fervidas, no mínimo, por 5 minutos para a retirada do excesso de sulfitos que podem trazer sabores estranhos, e após, filtradas.


Exaustão:  O enchimento das embalagens com frutas e calda podem ser acelerados por equipamentos que dosam automaticamente a quantidade de fruta e calda na embalagem, efetuando também vácuo mecânico para a remoção de bolsões de ar que ficam entre o produto e a calda.
Preparo da calda: A sacarose é o açúcar predominantemente usado no Brasil, enquanto que em outros países, predominam a glicose e a frutose. A concentração da calda a ser colocada no enchimento das embalagens deve ser calculada de maneira que após a homogeneização (equilíbrio) entre o teor de açúcares da calda de enchimento e do pêssego in natura, a doçura do produto final fique dentro das especificações estabelecidas para o processo.


Fechamento da embalagem : Após a operação de exaustão, as latas são fechadas em recravadeiras.
Esterilização e cozimento : Sendo o pêssego em calda um produto ácido, com pH entre 3,10 e 4,0, a temperatura próxima da fervura da água (banho-maria) é suficiente para conferir esterilidade ao produto, quando processado num recipiente hermético.
Fechamento da embalagem : Após a operação de exaustão, as latas são fechadas em recravadeiras.


Esterilização e cozimento: Sendo o pêssego em calda um produto ácido, com pH entre 3,10 e 4,0, a temperatura próxima da fervura da água (banho-maria) é suficiente para conferir esterilidade ao produto, quando processado num recipiente hermético.












Carta!

Três de Maio, 08 de Junho de 2012.


Prezados alunos da escola,
    Nós, alunos da turma 212, da Escola Estadual de Ensino Médio Castelo Branco, da cidade de Três de Maio, estamos escrevendo-lhes esta carta para apresentar a vocês a sexta Gincana Ambiental da nossa escola! 
    A sexta Gincana Ambiental visa a conscientização dos alunos do ensino médio e oitava série do ensino fundamental, fazendo assim com que cuidem da escola e do meio ambiente. Cada turma deve ter um representante (capitão) e seu suplente (tenente), e cada grupo tem uma região do Rio Grande do Sul a ser estudada e representada, a nossa região é a Costa Doce, e estamos muito empolgados. O nome das equipes deveria ser escolhido com algo relacionado à nossa região, então, nossa equipe chama-se Marinheiros, devido à Ilha dos Marinheiros no município de Rio Grande, nosso mascote é a tartaruga Tigre D'água, pois é uma das espécies protegidas da região.
    Na nossa gincana temos muitas tarefas que acumulam pontos para as esquipes, uma delas é escrever essa carta para mostrar a vocês um pouco da escola e suas atividades. Plantamos árvores e flores na escola além de limparmos os seus corredores e ainda realizamos a caminhada da conscientização no dia 05/06, dia internacional do meio ambiente, esta caminhada tem como objetivo mostrar às pessoas que os jovens se preocupam com o meio ambiente, e incentivar as pessoas a cuidá-lo também.
    A nossa equipe possui um blog onde escrevemos tudo o que fazemos e postamos tudo que aprendemos sobre a Costa Doce, pedimos à vocês que colaborem conosco entrando no nosso blog: marinheiros-cb.blogspot.com e postando comentários e foto de sua turma e de cada aluno que comentar.
Desde já, agradecemos pela colaboração de todos para ajudar a Gincana Ambiental da Escola Estadual Castelo Branco a ficar mais conhecida.

Atenciosamente, turma 212.

PS: Quanto mais comentários vocês postarem, mais pontos ganharemos.



Escola Estadual De Ensino Médio Dr Amilcar Gigante- PELOTAS
Colégio Estadual De Ensino Médio Monsenhor Queiroz- PELOTAS


terça-feira, 12 de junho de 2012


    A Costa Doce é uma região turística singular por oferecer roteiros que aliam a beleza das praias e paisagens, à história e à cultura ricas do povo Gaúcho. Possui a imensidão das águas do maior complexo lagunar da América Latina, composto pela Laguna dos Patos e pelas lagoas Mangueira e Mirim. Oferece opções diversas de lazer, cultura e diversão o ano todo, nos segmentos Sol e Praia, Cultural-Histórico, Rural, Náutico, Esporte e Aventura e Negócios & Eventos. Conhecer a Costa Doce é encantar-se à primeira vista com seu ecossistema exuberante e a fauna diversificada que habitam o Mar de dentro.Um espetáculo inesquecível é o pôr-do-sol que se reflete sobre espelhos de água doce. Sol para o mar e para a lagoa. Sol para bronzear ou tranqüilamente descansar à sombra das magníficas figueiras que marcam a paisagem do Sul. Um Sul rural, em que a história está viva nas lides campeiras, nas estâncias e fazendas históricas, que ganham vida com os Cavaleiros da Costa Doce. Beleza e charme que se revelam nos centros históricos, no luxo dos casarios de época preservados pela tradição e na arquitetura eclética que integra o Mercosul. Cultura que valoriza a diversidade étnica dos alemães-pomeranos, com o Caminho Pomerano, dos portugueses, na Ilha dos Marinheiros ou com o Roteiro Pelotas Colonial. O turismo náutico apresenta esporte e aventura junto à natureza. Numa visita à Estação Ecológica do Taim, desnuda-se um verdadeiro paraíso ao Sul, com capivaras, preás, tartarugas, jacarés, cisnes-do-pescoço-preto e outras espécies em extinção. Uma opção diferenciada está na Rota dos Campos Neutrais, no extremo Sul do Brasil; o Caminho Farroupilha e o Camino Del Gaucho são a expressão maior da cultura do Rio Grande do Sul e das lides campeiras. O Roteiro de Eco-aventura Recantos e Encantos revela os mistérios dos cerros e lagoas da região Centro-Sul. Clima, conformação geográfica, natureza, população e hábitos culturais e gastronômicos tornam a Costa Doce diferenciada de outras regiões.



Caroline

Revitalização da Ilha da Pólvora pretende inserir Guaíba na rota turística do RS!

Pesquisando sobre a nossa região, achei aqui uma matéria da Revista Costa Doce, e resolvi compartilhar com vocês as mudanças e projetos desta maravilhosa região!


       A ilha que é conhecida por três nomes – das Pedras Brancas, do Presídio e da Pólvora –, poderá ter um destino mais nobre do que sua história e estado presente, de mais absoluto abandono. Um grande projeto vem sendo desenvolvido pela Prefeitura de Guaíba para tornar o local, que serviu aos farrapos, abrigou presos políticos e foi depósito de munição do Império, num moderno centro cultural e ambiental. O investimento poderá chegar a R$ 3,2 milhões. Os recursos devem ser obtidos por intermédio de parcerias com empresas privadas, através das leis de incentivo à cultura federal e estadual e com os investimentos que deverão aportar no Rio Grande do Sul devido à Copa do Mundo de Futebol de 2014. 
       O prefeito de Guaíba, Henrique Tavares, vê na iniciativa diversos potenciais, como a possibilidade de estruturar de maneira decisiva a travessia de passageiros entre Porto Alegre e Guaíba pelo rio e o transporte de cargas entre as indústrias do Município e o Porto de Rio Grande. O projeto prevê que a atividade turística se estabeleça na ilha com o menor impacto ambiental possível. Será criado um memorial, trazendo o resgate histórico, e haverá a instalação de uma estação de tratamento de água aberta à visitação. Está prevista a construção de deques para facilitar o acesso ao local por meio de barcos.
      

sábado, 9 de junho de 2012

Bom dia!
De longe, muito longe, acompanho já com saudades meus amados marinheiros! E a cada conquista, cada ponto a mais que conseguimos, comemoro de longe mas ao mesmo tempo junto com eles. Já já estou de volta   com minha equipe! E enquanto isso, quero que todos continuem como eu os deixei: empolgados, com garra, e acima de tudo, vontade!


Beijoca da capitã

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Melhor Equipe Com Certeza !


Bom dia!
Equipe toda reunida aqui no laboratório de informática da escola. Não só reunida aqui, mas, agora, em todos os sentidos! Mostramos ontem que nos reerguemos e nos unimos como equipe. Todos sentiram o espírito da união e da cumplicidade, e mesmo não ganhando, sabemos que todo nosso esforço e empenho valeu a pena, pois, sabemos que nos saímos muito bem. Aguardamos as atividades na sexta feira, e, desde já, estamos nos preparando para a mesma. Até mais!



- toda equipe.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

é notícia!

Vênus passa na frente do Sol na terça-feira
Na próxima semana será possível ver um ponto passando lentamente sobre o Sol, em um raro trânsito de Vênus, quando o planeta passa entre a Terra e o Sol. Um evento tão raro, que o próximo só será observado em 2117. 

É um evento tão único que escolas e museus ao redor do planeta estão preparando festas para acompanhar o fenômeno e os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional também estão planejando acompanhar o evento.
O trânsito começa nesta terça-feira (dia 5, às 18h09 no horário de Brasília) a oeste do Meridiano de Greenwich e na quarta-feira (6) a leste dele. Ele vai durar seis horas e 40 minutos e será visível do oeste do Pacífico ao leste da Ásia e leste da Austrália. Mas no Brasil, ele só será visto por habitantes do extremo oeste do país, durante o pôr-do-sol.
Observadores no Canadá, Estados Unidos, México, América Central e norte da América do Sul poderão ver o começo do espetáculo antes que o sol se ponha. Europa, Ásia ocidental e central, África ocidental e o leste da Austrália pegarão o fim, depois que o Sol nascer. A Nasa está planejando disponibilizar webcasts ao vivo.




Caroline

domingo, 3 de junho de 2012


Costa Doce 

Conhecer a Costa Doce, ao sul do Brasil, no Estado do Rio Grande do Sul, é aproximar-se de um povo que traz em si a alma do gaúcho.


É fazer parte de um cenário natural que contrasta o verde   e o azul das águas, e revela a beleza da região através de suas figueiras centenárias, do exotismo de seus pássaros e da exuberância de suas paisagens.

Percorrer a Costa Doce é permitir-se uma volta ao passado e o encontro com o rico patrimônio cultural retratado na arquitetura dos primeiros anos do século XIX e nas estâncias históricas da região.
Por esta diversidade cultural, é possível apreciar, ainda, um artesanato diferenciado, deliciar-se com a gastronomia campeira e os delicados doces de Pelotas, além de desvendar um a um os municípios à beira do Lago Guaíba, Laguna dos Patos, Lagoa Mirim e Mangueira, que compõem o maior complexo lagunar da América Latina.



GA é notícia!
Nossa GINCANA AMBIENTAL já é notícia!

Jornais locais confirmam a reportagem elaborada por mim, coordenadora.
Rádio Colonial marco!u entrevista sábado - 02/06 ás 11h.
 Site do Paulo Marques publicou a reportagem, acessem abaixo: 
http://www.paulomarquesnoticias.com/2012/05/tres-de-maio-6-gincana-ambiental-da-ee.html

E aí, somos notícia... A caminhada irá mostrar nossa força, energia, união e conscientização, mostrando um pouco quem são os alunos e professores da Castelo Branco